• El papa Francisco en Egipto – Encuentro con las autoridades y representantes de las instituciones del país

Um grão de areia (6 de abril de 2017)

PAPA FRANCISCO

MEDITAÇÕES MATUTINAS NA SANTA MISSA CELEBRADA
NA CAPELA DA CASA SANTA MARTA

Um grão de areia

Quinta-feira, 6 de abril de 2017

Publicado no L'Osservatore Romano, ed. em português, n. 15 de 13 de abril de 2017

Todo o cristão deveria dedicar um dia à «memória» para reler a sua história pessoal inserindo-a na história de um povo: «Não estou sozinho, sou um povo», um «povo sonhado por Deus». Como acontece com frequência no tempo da quaresma, observou o Pontífice, durante o qual se convida o crente a «parar um pouco e pensar», os dois trechos da Escritura da liturgia do dia (Gn 17, 3-9 e Jo 8, 51-59) dizem: «Para. Para um pouco. Pensa no teu pai». E o centro da atenção hoje está em Abraão.

De facto, na primeira leitura «fala-se daquele diálogo de Deus com Abraão, quando Deus estabelece a aliança com ele», e no Evangelho Jesus e os fariseus chamam-no «pai» porque foi ele «quem começou a gerar este povo que agora é a Igreja, que somos nós. Homem leal». E, acrescentou Francisco, aceitando o convite das Escrituras, hoje «far-nos-á bem pensar no nosso pai Abraão».

Portanto, quais são os aspetos fundamentais da vicissitude de Abraão que devemos recordar? Antes de tudo «Abraão obedeceu quando foi chamado para ir à outra terra que teria recebido como herança». Isto é, ele «confiou. Obedeceu. E partiu sem saber para onde». Por conseguinte, disse o Papa, Abraão foi um «homem de fé, de esperança». Com cem anos e com a esposa estéril, «acreditou quando lhe foi dito que teria tido um filho». Acreditou «contra toda a esperança. Este é o nosso pai» frisou Francisco, acrescentando: «Se alguém tentasse descrever a vida de Abraão, poderia dizer: “Ele é um sonhador”». Mas atenção: Abraão «não era um louco», o seu era «o sonho da esperança».

Uma identidade confirmada também depois: «Posto à prova, depois de ter tido o filho», quando o menino se tornou adolescente «foi-lhe pedido que o oferecesse em sacrifício: obedeceu e foi em frente contra toda a esperança». Eis quem é o «nosso pai Abraão»: alguém «que vai em frente, continua». No Evangelho, Jesus diz: Abraão «exultou na esperança de ver o meu dia; viu-o e ficou cheio de alegria». Explicou o Pontífice: ele teve a alegria «de ver a plenitude da promessa da aliança, a alegria de ver que Deus não o tinha enganado, que Deus é sempre fiel à sua aliança». E também os crentes, hoje, são chamados a fazer quanto indica o salmo responsorial (104): «Recordai as maravilhas que realizou, os seus prodígios e os juízos da sua boca». Porque todos os cristãos são «estirpe de Abraão». Como «quando — disse Francisco — pensamos no nosso pai que faleceu: lembrar-se do pai, das coisas boas do pai». Assim podemos recordar também quanto era «grande» o «nosso pai Abraão».

A grandeza do patriarca foi fundada num «pacto» com Deus. «Por parte de Abraão», evidenciou o Pontífice, houve «a obediência: obedeceu sempre». Por parte de Deus, uma promessa: «Quanto a mim, eis a minha aliança contigo: tornar-te-ás pai de uma multidão de nações. Já não te chamarás Abrão mas Abraão, por seres pai de uma multidão de nações». E Abraão acreditou.

O Papa refletiu sobre a beleza e a grandeza da promessa de Deus que disse a Abraão, «com cem anos, sem filhos e a esposa estéril»: «Tornar-te-ei extremamente fecundo, farei nascer de ti nações e terás reis por descendentes». E depois, noutro diálogo: «“Olha para o céu: és capaz de contar as estrelas?”» — “Não, é impossível...” — “Assim será a tua descendência. Olha a praia do mar: és capaz de contar os grãos de areia?” — “É impossível!” — “Assim será a tua descendência”».

Depois, passando da memória para a vida diária, Francisco disse: «Hoje nós em obediência ao convite da Igreja, paramos e podemos dizer, com verdade: “Eu sou uma daquelas estrelas. Sou um grão de areia”».

Mas o vínculo com Abraão, prosseguiu o Papa, não esgota a identidade cristã: «Somos filhos de Abraão, mas antes de Abraão há outro Pai. E antes de nós há outro Filho. E na nossa história, entre o nosso pai Abraão e nós, há outra história, a grande, a história do Pai dos céus e de Jesus». Este é o motivo, explicou o Pontífice, pelo qual Jesus no trecho evangélico «respondeu aos fariseus e aos doutores da lei: “Abraão exultou na esperança de ver o meu dia. Viu-o e ficou cheio de alegria”». Precisamente esta é a «grande mensagem. Hoje a Igreja convida-nos a parar, a olhar para as nossas raízes e para o nosso pai que nos fez povo, céu cheio de estrelas, praias cheias de grãos de areia». Por conseguinte, cada cristão é convidado a «olhar para a história» e a dar-se conta: «Não estou sozinho, sou um povo. Caminhamos juntos. A Igreja é um povo. Mas um povo sonhado por Deus, um povo que deu um pai na terra que obedeceu, e temos um irmão que deu a sua vida por nós, para nos tornar povo». Partindo desta consciência, «podemos olhar para o Pai, dar graças; olhar para Jesus, dar graças, e olhar para Abraão e para nós, que somos parte do caminho».

No final da sua meditação, o Papa sugeriu um compromisso prático: «Façamos de hoje um dia de memória» para compreender que «nesta grande história, na moldura de Deus e de Jesus, está contida a pequena história de cada um de nós». Portanto, acrescentou, «convido-vos a permanecer hoje por cinco, dez minutos, sentados, sem rádio nem tv; sentados, pensando na própria história: nas bênçãos e em todos os problemas. Nas graças e nos pecados: em tudo». Cada um, disse, nesta memória poderá encontrar «a fidelidade daquele Deus que permaneceu fiel à sua aliança, fiel à promessa que tinha feito a Abraão, fiel à salvação que prometeu em seu Filho Jesus».

E o Pontífice concluiu: «Estou certo de que no meio de situações às vezes difíceis — pois todos nós as temos, muitas dificuldades na vida — se hoje fizermos isto, descobriremos a beleza do amor de Deus, da sua misericórdia, da esperança. E tenho a certeza de que todos nos sentiremos cheios de alegria».