Santa Sé: combate à Aids, interesses econômicos atingem os pobres

2016-03-11 Rádio Vaticana

Genebra (RV) - Os interesses econômicos não espezinhem o direito à saúde daqueles que são atingidos pela Aids, sobretudo nos países mais pobres. É o que a Santa Sé pede à comunidade internacional. Num pronunciamento no escritório da Onu em Genebra, na Suíça, o encarregado vaticano ad interim, Mons. Richard Gyhra, lançou um apelo a respeitar o direito à saúde das pessoas, como reconhecido pela Declaração universal dos direitos do homem.

Acesso sem discriminação aos tratamentos de saúde

Em particular, se pede o direito ao acesso sem discriminação aos tratamentos de saúde, o fornecimento de medicamentos essenciais, uma distribuição equânime dos serviços de saúde e a adoção de estratégias nacionais para prevenir e combater a Aids.

Não à prioridade lucro

Apesar de todas as iniciativas positivas criadas nos últimos dez anos para acabar com a epidemia do Hiv-Aids, há ainda muito a ser feito, afirmou Mons. Gyhra. Entre os principais desafios encontra-se o de não considerar prioritário o lucro que os medicamentos e instrumentos diagnósticos oferecem, com a consequência de preços proibitivos para os doentes que não dispõem de meios.

Sofrimentos indizíveis

Durante mais de trinta anos a Aids causou mortes e sofrimentos indizíveis para milhões de crianças e adultos, deixou milhões de crianças órfãs, levando famílias e comunidades ao colapso social, econômico e emotivo.

Não desfazer proteção social existente

Mons. Gyhra concluiu citando o Papa Francisco: “A interdependência e a integração das economias não devem comportar o mínimo dano aos sistemas de saúde e de proteção social existentes, pelo contrário, devem favorecer sua criação e funcionamento. Alguns temas de saúde… requerem uma atenção política prioritária, acima de qualquer outro interesse comercial ou político” (Discurso no escritório da Onu em Nairóbi, no Quênia, em 26 de novembro de 2015).

(RL)

(from Vatican Radio)