• El papa Francisco en Polonia. Visita al Santuario de la Divina Misericordia

Papa: prefiro uma família ferida a uma sociedade narcisista

2016-02-16 Rádio Vaticana

Na tarde de dia 15 de fevereiro o Papa Francisco esteve com as famílias do México na cidade de Tuxtla Gutiérrez, capital do Estado de Chiapas.

Foi um encontro de grande alegria, aquele que o Santo Padre teve com as famílias mexicanas no repleto Estádio ‘Victor Manuel Reyna’. Testemunhos e vários acontecimentos fora do programa marcaram este momento de partilha com as milhares de famílias presentes.

Neste particular foi comovente no final da intervenção do Papa a atitude de uma menina que surpreendentemente correu para o Santo Padre e ali esteve um pouco no colo de Francisco. Um outro momento inesperado foi quando a multidão levou uma criança com deficiência até ao palco, onde estava o Papa, que logo a abraçou e saudou.

O Papa Francisco começou por agradecer a presença de todos dizendo que se sentia ali o “sabor de família” e agradeceu, em especial os testemunhos.

Manuel, um rapaz de 14 anos com deficiência motora e em cadeira de rodas foi um desses testemunhos e o Papa Francisco agradeceu-lhe as suas palavras e elogiou os seus pais, em particular, a expressão utilizada: “encher-se de vontade”.

O Papa Francisco utilizou mesmo esta expressão para continuar a sua intervenção afirmando que “isto é o que o Espírito Santo quer fazer sempre no meio de nós: encher-nos de vontade, dar-nos motivos para continuar a apostar, sonhar e construir uma vida com sabor a casa, a família” – disse o Papa.

Rezar pelos adolescentes que vivem desanimados foi um dos pedidos de Manuel que serviu para o Santo Padre referir-se a um dos outros testemunhos, aquele de Beatriz. O Papa Francisco falou então de precariedade, de solidão e de isolamento frisando que muitas vezes quem se vê privado do mínimo indispensável pode sentir uma “forte ansiedade”:

“A forma de combater esta precariedade e isolamento, que nos tornam vulneráveis a muitas soluções ilusórias, deve concretizar-se sob distintas formas e a diferentes níveis. Uma das formas é por meio de leis que protejam e garantam o mínimo necessário para que cada lar e cada pessoa possam crescer através do estudo e dum trabalho digno” – disse o Papa Francisco.

Na intervenção do Santo Padre destaque ainda para as ideologias que colonizam e colocam em causa a família:

“Hoje vemos e experimentamos, em várias frentes, como a família está a ser fragilizada e posta em discussão. Julgando-a um modelo já ultrapassado e sem lugar nas nossas sociedades, a pretexto de modernidade favorece-se cada vez mais um sistema baseado no modelo do isolamento” – afirmou o Papa.

Humberto e Cláudia, foi um outro casal que testemunhou a sua vida e fé perante o Santo Padre, que apesar de casados apenas civilmente, devido ao divórcio de Cláudia, vivem integrados na vida da Igreja no serviço e na assistência aos outros.

Uma palavra ainda do Papa Francisco para as famílias que resistem à “sociedade narcisista e obcecada com o luxo e o conforto” e para as famílias que já com rugas testemunham a sua fidelidade no amor matrimonial. A este propósito o Papa Francisco afirmou:

“Prefiro uma família ferida que procura em cada dia conjugar o amor, a uma família e sociedade doente pela comodidade e o medo de amar”

“Prefiro uma família que procura uma vez e outra recomeçar, a uma família e sociedade narcisista e obcecada com o luxo e o conforto.”

No final do encontro 200 casais que festejam bodas de ouro (50 anos de casamento) renovaram as suas promessas matrimoniais.

(RS)

(from Vatican Radio)