Papa Francisco, resposta à Nova Evangelização

2013-03-18 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) - Quando rezávamos para que os cardeais se deixassem iluminar pelo Espírito Santo durante o Conclave, muitos jornalistas e pessoas até de Igreja nos procuravam para saber por quem torcíamos e também para conhecer o nosso prognóstico. Mais uma vez dizíamos que a eleição do Sumo Pontífice não se enquadrava nos moldes de uma eleição a um cargo de poder político, mundano e transitório, mas lidávamos com o Transcendente.
O resultado foi a eleição de um bispo nascido no Continente americano e tendo ali o seu pastoreio.
Isso reforça a fé de que o Divino Espírito Santo governa a Igreja. Se fizermos uma revisão na vida recente da Igreja, veremos que a Conferência de Aparecida, realizada em 2007, nos fala da Missão Continental, da necessidade de aprofundarmos a Evangelização realizada no subcontinente Latino-americano e Caribenho. Mais tarde, o Papa Bento XVI criou o Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, com o principal objetivo de evangelizar novamente os países de antiga tradição cristã. Ano passado, em outubro, tivemos o Sínodo para a Nova Evangelização, que procurou debater, refletir e discutir a partir da experiência dos Padres Sinodais, buscando caminhos novos para a Evangelização no Terceiro Milênio.
Por outro lado, sabemos que a América intensificou sua contribuição missionária em favor da Evangelização na Europa e outros continentes, sobretudo a partir de 1957 com a Carta Encíclica Fidei Donum, do Papa Pio XII, em que mesmo as Igrejas que não dispunham tanto de sacerdotes e de religiosos começaram a partilhar seus recursos humanos.
Nesse momento começamos a perceber o retorno da ação evangelizadora e catequética proporcionada cinco séculos atrás pelos cristãos da Península Ibérica, pelo Velho Mundo, em favor das terras recém achadas no Novo Mundo, concretamente, a América Central, a América do Sul e a América do Norte.
Essa atitude de contribuição do Novo Mundo ao Velho, que lhe comunicou a existência do Deus único e verdadeiro, do seu extremo amor pelos homens dando Seu Filho Único – Jesus Cristo – em redenção de todos e da presença Confortadora e Iluminadora de Seu Santo Espírito, tem seu ponto alto quando os cardeais do mundo inteiro, iluminados por esse mesmo Espírito e ajudados pela oração de todos os cristãos, elegem, um latino-americano para a função de Sumo Pontífice, com a missão de confirmar na fé todos os evangelizados.

É um eloqüente sinal da Providência que provê as necessidades de seus filhos e governa a Sua Igreja, possibilitar que o início do Pontificado desse Papa americano comece no dia de São José, Patrono da Igreja Universal, Provedor das necessidades da Família de Nazaré e engrandecedor da missão de José do Egito de alimentar o Povo de Deus, faminto de pão.
O Papa Francisco - em sua simplicidade colhida no exemplo do “pobrezinho de Assis” e nutrida pela espiritualidade inaciana que busca “maior glória de Deus” isto é o serviço da caridade aos homens - possa imprimir no coração de cada um o quanto todos, sem exceção, são amados por Deus.

Pe. César Augusto dos Santos S.J.