Papa Francisco no Angelus: Misericordiosos como o Pai

2016-03-06 Rádio Vaticana

6 de março, no Angelus na Praça de S. Pedro o Papa Francisco afirmou que a leitura do Evangelho de S. Lucas neste IV Domingo da Quaresma revela-nos o coração de Deus, o Pai Misericordioso.

O Santo Padre referiu que a parábola do filho pródigo, ou melhor dizendo, do Pai Misericordioso, faz-nos compreender algumas características deste pai. Neste tempo quaresmal – observou o Papa – o Evangelho revela-nos “um homem sempre pronto a perdoar e que espera”. É com tolerância que aceita a saída do filho de casa. “Assim age Deus connosco” – acentuou o Santo Padre – “deixa-nos livres, mesmo de errar, porque criando-nos deu-nos o grande dom da liberdade.”

Este pai apesar de distante fisicamente daquele filho “trá-lo sempre no coração; espera confiante o seu regresso” – disse o Papa que sublinhou a atitude do pai que quando vê o filho regressar “corre para ele, abraça-o e beija-o”.

A mesma atitude de ternura é reservada pelo pai ao filho mais velho que protesta e não percebe toda aquela bondade para com o filho que tinha errado: “O pai vai ao encontro também deste filho e recorda-lhe que eles estiveram sempre juntos, têm tudo em comum, mas é preciso acolher com alegria o irmão que finalmente volta a casa” – disse o Santo Padre.

Segundo o Papa Francisco nesta parábola podemos reconhecer um terceiro filho escondido: Jesus que “não considera um privilégio ser como o Pai e esvaziou-se a si próprio, assumindo  condição de servo” e ensina-nos “a ser misericordiosos como o Pai”:

“ A figura do pai da parábola revela o coração de Deus. Ele é o pai misericordioso que em Jesus nos ama para além de qualquer medida, espera sempre a nossa conversão cada vez que erramos.”

Após a oração do Angelus o Papa Francisco expressou a sua proximidade para com as Missionárias da Caridade pelo “grave luto que as atingiu há dois dias com a morte de quatro religiosas em Aden, no Yemen, onde assistiam idosos. Rezo por elas e pelas outras pessoas mortas no ataque e pelos familiares.”

“Estes são os mártires de hoje e não são primeira página dos jornais, não são notícia, estes dão o seu sangue pela Igreja.”

“Estes são vítimas do ataque daqueles que os mataram e também da indiferença, desta globalização da indiferença.”

“Madre Teresa acompanhe no paraíso estas suas filhas mártires da caridade e interceda pela paz e pelo sagrado respeito pela vida humana.”

O Santo Padre mencionou ainda um projeto concreto de compromisso pela paz que se iniciou recentemente em Itália permitindo corredores humanitários para refugiados:

“Este projeto piloto que une solidariedade e segurança, permite ajudar pessoas que fogem da guerra e da violência, como os cem refugiados já transferidos para Itália, entre os quais crianças doentes, pessoas deficientes, viúvas de guerra com filhos e idosos. Alegro-me também porque esta iniciativa é ecuménica, sendo apoiada pela Comunidade Santo Egídio, a Federação das Igrejas Evangélicas Italianas e Igrejas Valdesas e Metodistas” – declarou o Papa Francisco.

O Santo Padre a todos desejou o bom domingo e um bom almoço.

(RS)

(from Vatican Radio)