ONU pede ação rápida e coordenada contra crise alimentar mundial

2012-09-04 Rádio Vaticana

Roma (RV) - A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e o Programa Mundial de Alimentos (PAM), três agências da ONU responsáveis por questões alimentares, fizeram um apelo, nesta terça-feira, em Roma, contra o aumento de preço dos alimentos e a fome.

"A situação atual dos mercados mundiais de alimentos, caracterizada pelo forte aumento de preços do milho, trigo e soja, provoca novamente o temor de uma crise alimentar mundial como aconteceu em 2007 e 2008. No entanto, uma ação internacional rápida e coordenada pode evitar que isso aconteça. Temos de agir rapidamente para que esses choques de preços não causem uma catástrofe para milhões de pessoas nos próximos meses" – afirmam num comunicado conjunto, o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, o presidente do FIDA, Kanayo F. Nwanze, e a diretora do PAM, Ertharin Cousin.

"Estamos mais preparados hoje do que cinco anos atrás para responder a esses desafios. Desenvolvemos novas políticas e instrumentos, tais como o Grupo de Alto Nível das Nações Unidas para a Segurança Alimentar Mundial e o Sistema de Informação sobre o Mercado Agrícola do G20 (AMNIS), para aumentar a transparência nos mercados globais. Coligado ao AMNIS está também o Fórum por uma Resposta Rápida, criado para facilitar as respostas políticas coordenadas pelos principais produtores mundiais e pelos comerciantes dos principais cereais e da soja, no caso de perturbação do mercado" – ressalta ainda a nota.
Segundo o comunicado das três agências da ONU, "os elevados preços dos alimentos são um sintoma, e não a doença. Por isso, a comunidade internacional deve agir rapidamente para evitar aumentos excessivos de preções, e combater as causas que determinam tais aumentos". (MJ)