​No Angelus o Pontífice fala do episódio da mulher adúltera e pede aos fiéis a coragem de deixar cair as pedras no chão - Mãos desarmadas

2016-03-14 L’Osservatore Romano

«Quem de vós estiver sem pecado, atire a primeira pedra». A resposta de Jesus aos escribas e aos fariseus que queriam lapidar a mulher adúltera desarma as mãos dos acusadores e convence-os a depor as «armas».

Ao recordar o episódio evangélico de João, no Angelus de domingo 13 de março, na praça de São Pedro, o Papa convidou os fiéis a ter «a coragem de fazer cair no chão as pedras que temos para atirar contra os outros» e a libertar-nos da «escravidão» do pecado para «caminhar por uma via nova».

«Aquela mulher – explicou o Pontífice – representa todos nós, pecadores, que somos pecadores, isto é, adúlteros diante de Deus, traidores da sua fidelidade». E a sua experiência mostra «a vontade de Deus para cada um de nós: não a nossa condenação, mas a nossa salvação através de Jesus». Eis a exortação a «confiarmo-nos completamente à misericórdia de Deus, para nos tornarmos criaturas novas». Uma exortação contida também no dom oferecido por Francisco aos fiéis presentes na praça: uma cópia de bolso do Evangelho da misericórdia de são Lucas, distribuída pelos voluntários do dispensário pediátrico de Santa Marta no Vaticano e por alguns idosos e avós de Roma. «Convido-vos – recomendou – a aceitar este Evangelho e a lê-lo, um trecho por dia; assim a misericórdia do Pai habitará no vosso coração e podereis levá-la a quantos encontrades».

Angelus do Papa