“Não tenhais medo da transparência” – Papa aos bispos mexicanos

2016-02-13 Rádio Vaticana

Catedral da Cidade do México. Foi ali, na “casita” pedida por Nossa Senhora de Guadalupe, ao é da colina de  Tepeyac, que o Papa escolheu encontrar os numerosos bispos do México. Nessa “casita” “sagrada”, onde  “se encontra o coração secreto de cada mexicano”,  Francisco entrou – disse - com “passos delicados, como se deve fazer quando se entra na casa e na alma de um povo”.

Para o Papa foi também o concretizar-se de um sonho que há muito acalentava: pousar o olhar sobre a “Virgem Morenita” e através dela alcançar o olhar do povo mexicano, falar aos bispos e, por intermédio deles, ao povo. E o Papa vai mais longe dizendo mesmo que queria ele próprio ser envolvido pelo olhar materno dessa “Virgem Morenita” que nos ensina que “a única força capaz de conquistar o coração dos homens é a ternura de Deus” . Mas terá a longa e dolorosa história do México levado, porventura, a esquecer esse terno regaço no qual “os homens, sempre órfãos e deserdados, buscam um abrigo, um lar”? – pergunta-se o Papa, recordando que não obstante as fracturas ameaçadores, “nunca se mostrou infecundo o regaço materno que tem gerado continuamente o México”.  E é por esta razão que convidou os bispos a recomeçarem de novo dessa necessidade de um regaço que emana da alma do povo. O regaço da fé cristã, capaz de reconciliar o passado com o futuro. Só nesse regaço “é possível, sem renunciar à própria identidade “descobrir a verdade profunda da nova humanidade, em que todos são chamados a ser filhos de Deus” – disse o Papa, continuando:

“Inclinai-vos, com delicadeza e respeito, sobre a alma profunda do vosso povo, debruçai-vos com atenção e decifrai o seu rosto misterioso” .

E frisando que isto requer um olhar capaz de reflectir a ternura de Deus, o Papa, com firmeza, convidou-os a serem bispos de olhar límpido, de alma transparente, de rosto luminoso, a não terem medo da transparência, a não se deixarem cobrir pelas penumbras do mundanismo, da corrupção, do materialismo, dos acordos feitos por debaixo da mesa, a não porem a sua confiança nos carros e cavalos dos faraós, porque – disse - “a nossa força é a «coluna de fogo» que irrompe separando em duas as águas do mar, sem fazer grande rumor” .

O Papa toma depois em consideração o mundo complexo de hoje em que  - sublinhou  - “a força de alguns já não pode sobreviver sem a vulnerabilidade dos outros”, convidando os bispos a responderem ao grito do povo com a certeza de que Deus existe e tem um “rosto humano”. E têm o direito de o ver no olhar dos seus bispos, os quais foram também convidados pelo Papa a não se perderem em coisas secundárias, críticas, intrigas (…), mas a se “ocuparem das coisas do Pai”, a introduzirem os seus sacerdotes “nessa compreensão do ministério sagrado”.

O Papa chamou ainda a atenção dos bispos para os jovens, a quem se deve oferecer um regaço materno, especialmente àqueles “seduzidos pelo poder vazio do mundo”:

“Peço-vos que não subestimeis o desafio ético e anticívico que o narcotráfico representa para toda a sociedade mexicana, incluindo Igreja”.

Perante esta grave questão, o Papa disse aos bispos que os pastores da Igreja não podem ficar pela simples condenação. É preciso uma pastoral séria que deve abranger, antes de mais, a família. Só assim será “possível libertar-se totalmente das águas  em que se afogam tanto as vítimas como os carnífices.

O Papa recomenda ainda aos bispos mexicanos a não terem a vã pretensão de mudar o povo, como “se o amor de Deus não tivesse a força suficiente para o mudar”, mas, com constância e humildade, a aprenderem primeiro, e depois a ensinarem a dialogar com Deus.

Francisco pede também aos bispos um “olhar de singular delicadeza” em relação aos povos indígenas, dizendo que o México precisa das suas raízes ameríndias e que esses povos aguardam ainda o reconhecimento do sua contribuição à identidade da nação, raízes antigas que permitiram a viva síntese cristã, disse o Papa exprimindo o desejo de que os bispos, como o olhar fixo sempre e apenas em Cristo, sejam capazes de manter unido o povo.

Pediu-lhes ainda novas respostas para novas questões, a não se deixarem adormecer sobre os louros, a vencerem a tentação da distância e do clericalismo, da frieza e da indiferença, do triunfalismo e da auto-referencialidade. “Guadalupe ensina-nos que Deus é familiar no seu rosto” - disse. E o primeiro rosto que o Papa pede aos bispos para olharem é o dos seus sacerdotes, a acompanhá-los paternalmente no seu trabalho, nos seus momentos de dificuldades. Mais ainda:

“Só olhando para a “Morenita” é que o México poder ter uma visão completa de si mesmo”.

Por isso o Papa convida a cingir a nação mexicana inteira com a fecundidade de Deus. E evocando os progressos feitos pelo episcopado mexicano nestes anos conciliares, o Papa estimula-os ao zelo missionário, a não desanimarem perante as dificuldades, a cuidarem da formação e preparação dos leigos, superando toda e qualquer forma de clericalismo. E exorta-os vivamente a conservar a comunhão e a unidade entre si:

“O México e a sua vasta e multiforme Igreja têm necessidade de bispos servidores e guardiães da unidade construída sobre a Palavra do Senhor, alimentada com o seu Corpo e guiada pelo seu Espírito que é o alento vital da Igreja”.

Por fim, o Papa agradece aos bispos mexicanos por tudo quanto têm feito para enfrentar o desafio das migrações, com todo o seu cortejo de dificuldades. E exprime o desejo de que sejam capazes de os seguir além fronteiras, de reforçar a comunhão com os bispos dos Estados Unidos para manter viva a fé e as razões de esperança dos migrantes.

E o Papa conclui mostrando-se convicto de que “o México e a sua Igreja chegarão a tempo ao encontro consigo mesmo, com a história e com Deus”.

(DA) 

(from Vatican Radio)