Museus Vaticanos ampliam acesso digital a manuscritos

2017-06-08 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) -  Os diversos projetos de digitalização que muitas bibliotecas estão implementando, possibilitam cada vez mais o acesso aos manuscritos por parte de estudiosos em todas as partes do mundo.

A Biblioteca Apostólica vaticana já disponibilizou online mais de 4 mil de seus 80 mil manuscritos, mas não pretende parar por aí. Para responder às sempre maiores exigências dos estudiosos, era necessário dar um ulterior passo, como a possibilidade de ter acesso a um manuscrito a partir da própria casa ou do local de estudo, folheá-lo, ampliando seus detalhes, analisando o texto e as miniaturas, interpretando os comentários, entre outras atividades.

Ademais, muitas vezes é de fundamental importância em um estudo, fazer a comparação entre dois manuscritos, para perceber com maior facilidade as diferenças e as particularidades do texto, individuar a grafia do copista, comparar as formatações e os estilos decorativos, assim como acompanhar o tipo de comentários que  acompanha determinado texto.

Neste sentido, recentemente foi introduzida a expressão “Interoperabilidade", para expressar a possibilidade de trocar informações ou serviços entre sistemas informáticos, facilitando a sua recíproca interação.

No que tange aos manuscritos, esta pesquisa foi iniciada em 2012 na Universidade de Stanford, quando um grupo de especialistas da ‘Digital Library Systems and Services’ debateu o problema sobre como tornar utilizáveis na web as imagens digitais dos manuscritos, junto a todo o material documentário de arquivo que pudesse acompanhá-las, superando ao mesmo tempo as barreiras existentes entre as bases de dados: cada uma destas bases de dados, de fato, administra o próprio patrimônio informativo segundo modalidades próprias, que devem se tornar "interoperabilidades" com outras bases de dados.

Desta pesquisa nasceu um "protocolo de Interoperabilidade" para a livre circulação na rede de dados e imagens digitais, diretamente rastreáveis por meio dos motores de busca e independentes dos softwares de arquivamento de cada biblioteca.

Este padrão é conhecido como IIIF - sigla que contém precisamente o termo Interoperabilidade: ‘International Image Interoperability Framework’.

Concretamente, utilizando uma específica tecnologia aplicativa desenvolvida, também ela em Stanford, é possível mostrar online na tela do próprio computador um manuscrito digitalizado, simplesmente mencionando o endereço eletrônico a ele associado (o URI: Uniform Resource Identifier) e colocá-lo ao lado de outro manuscrito (ou mais de um) para todas as comparações necessárias.

A aplicação do protocolo de interoperabilidade no mundo dos manuscritos mostrou-se imediatamente de grande interesse para os estudos de filologia, de bibliologia, de paleografia, com particular relação às edições críticas e à possibilidade de efetuar reconstruções virtuais de coleções espalhadas pelas várias bibliotecas ou simplesmente de materiais fragmentários conservados em diferentes lugares.

Também a Biblioteca vaticana que inserir-se neste mundo de compartilhamento e de integração e, com a colaboração do parceiro tecnológico NTT Data, nestes meses aplicou no site da Biblioteca o protocolo de interoperabilidades na nova biblioteca digital (http://digi.vatlib.it).

Ao mesmo tempo ingressou como membro fundador no Consórcio internacional de IIIF, que agrupa cerca de quarenta, entre as mais importantes bibliotecas nacionais e de pesquisa no mundo.

O Consórcio realiza anualmente encontros que este ano assumiram uma considerável dimensão, dando lugar a uma série de conferências e seminários (2017 IIIF Conference - The Vatican), que realiza-se esta semana (de 5 a 9), no centro de Congressos do Instituto Patrístico Augustinianum.

Ao mesmo tempo, a Biblioteca Apostólica vaticana promoveu uma atividade especial de pesquisa sobre alguns grupos especiais de manuscritos, cujos resultados serão disponibilizados justamente na modalidade IIIF, anotando nas folhas dos manuscritos transcrições, comentários aos textos, aos glossários, às miniaturas, às escrituras à identificação dos copistas, miniaturas, etc.

Trata-se de vários percursos temáticos concernentes: a evolução e a transmissão dos textos em algumas línguas latinas clássicas, a biblioteca de um príncipe humanista exemplificada naquela de Federico da Montefeltro, um curso de paleografia grega e outro de paleografia latina da antiguidade ao renascimento.

(JE - L'Osservatore Romano)

(from Vatican Radio)