Muçulmanos, judeus e cristãos "irmãos e companheiros": Papa no encontro com autoridades turcas

2014-11-29 Rádio Vaticana

Muçulmanos, judeus e cristãos reconheçam-se como “irmãos e companheiros de viagem” e assumam o “compromisso de construir uma paz sólida”. Há que “renovar sempre a coragem da paz”! É urgente promover o “diálogo inter-religioso e intercultural, a fim de banir toda a forma de fundamentalismo e de terrorismo”. “Ao fanatismo e ao fundamentalismo, às fobias irracionais que incentivam incompreensões e discriminações, é preciso contrapor a solidariedade de todos os crentes”. 
    Estas as afirmações fundamentais da primeira intervenção do Papa em terras turcas, no encontro com as autoridades do país. O Santo Padre congratulou-se com a oportunidade que de prosseguir nesta visita “um diálogo de amizade, estima e respeito”, na senda traçada pelos antecessores, Paulo VI, João Paulo II e Bento XVI; diálogo aliás preparado e favorecido pela acção do então Delegado Apostólico Mons. Ângelo Roncalli, mais tarde João XXIII, e pelo Concílio Vaticano II. 
O Papa recordou a necessidade de “prosseguir, com paciência, o compromisso de construir uma paz sólida, assente no respeito pelos direitos fundamentais e deveres ligados com a dignidade do homem”. Só assim se poderão “superar preconceitos e falsos temores”.

Para isso, é fundamental que os cidadãos muçulmanos, judeus e cristãos … gozem dos mesmos direitos e respeitem os mesmos deveres. Assim, hão-de mais facilmente reconhecer-se como irmãos e companheiros de viagem, afastando cada vez mais as incompreensões e favorecendo a colaboração e o acordo. 
Referindo-se em particular ao Médio Oriente, “há demasiado tempo teatro de guerras fratricidas, que parecem nascer uma da outra, como se a única resposta possível à guerra e à violência tivesse de ser sempre uma nova guerra e outra violencia”, exclamou o Papa:

Quanto tempo deverá sofrer ainda o Médio Oriente por causa da falta de paz? Não podemos resignar-nos com a continuação dos conflitos, como se não fosse possível mudar a situação para melhor! Com a ajuda de Deus, podemos e devemos sempre renovar a coragem da paz! 

Uma importante contribuição nesse sentido – considerou o Papa – “pode vir do diálogo inter-religioso e intercultural, a fim de banir toda a forma de fundamentalismo e de terrorismo, que humilha gravemente a dignidade de todos os seres humanos e instrumentaliza a religião”.

Ao fanatismo e ao fundamentalismo, às fobias irracionais que incentivam incompreensões e discriminações, é preciso contrapor a solidariedade de todos os crentes – que tenha como pilares o respeito pela vida humana, pela liberdade religiosa, que é liberdade do culto e liberdade de viver segundo a ética religiosa –, o esforço por garantir a todos o necessário para uma vida digna, e o cuidado do meio ambiente. 

Referindo expresamente os “graves conflitos” que afetam a Síria e o Iraque – onde “a violência terrorista não dá sinais de diminuir”, Papa Francisco recordou as perseguições de que são vítimas nomeadamente os cristãos destas terras:

Regista-se a violação das normas humanitárias mais elementares contra prisioneiros e grupos étnicos inteiros; verificaram-se, e continuam ainda, graves perseguições contra grupos minoritários, especialmente – mas não só – cristãos e yazidis: centenas de milhares de pessoas foram obrigadas a abandonar as suas casas e a sua pátria, para poderem salvar a sua vida e manter-se fiéis ao próprio credo.

Especialmente tocada por esta situação a Turquia, que acolhe tão grande número de refugiados. A comunidade internacional tem a obrigação moral de a ajudar a cuidar dos refugiados. Juntamente com a assistência humanitária necessária, não se pode permanecer indiferente àquilo que provocou estas tragédias. Se “é lícito deter o injusto agressor – sempre no respeito pelo direito internacional – não se pode contudo confiar a resolução do problema somente à resposta militar” – advertiu o Papa .

Que o Altíssimo abençoe e proteja a Turquia e a ajude a ser uma válida e convicta artífice de paz!

(Texto integral do discurso do Papa na secção Documentos e Mensagens)
    Concluído há pouco o encontro com as Autoridades turcas, no Palácio presidencial, o Santo Padre teve um breve coloquio com o primeiro ministro, Ahmed Davutoglu. O Papa Francisco desloca-se seguidamente ao Departamento para as Questões Religiosas, onde pronunciará o segundo discurso desta viagem, último momento público do programa de hoje.  
Amanhã, sábado, a transferência para Istambul, com o encontro com a pequena comunidade católica da Turquia e, sobretudo, com o Patriarca Ortodoxo de Constantinopla, Bartolomeu I, com o qual celebrará, domingo, a festa de Santo André, patrono do patriarcado ecuménico. 
Esta viagem coloca-se no âmbito de anteriores visitas dos Bispos de Roma, sempre ligadas à relação especialíssima com o Patriarcado de Constantinopla. Começou Paulo VI, em 1967, seguindo-se-lhe João Paulo II, em 1979, e Bento XVI em 2006. Antes ainda, como figura tutelar que preparou o terreno a um clima cordial de diálogo ecuménico e mesmo inter-religioso, há que recordar Angelo Roncali, depois Papa João XXIII, que ao longo de dez anos foi Delegado Apostólico na Turquia e na Grécia, deixando a sua marca de respeito por todos e de amizade e testemunho cristão.
O encontro com o Patriarca Bartolomeu, em Istambul, sábado à tarde e domingo de manhã, culminará com a assinatura de uma Declaração conjunta e a bênção final da varanda do Palácio patriarcal, após a Divina Liturgia da festa de Santo André, celebrada pelo Patriarca na presença do Papa. Embora desde há muito reinem boas relações eclesiais entre Roma e Constantinopla, é de sublinhar a especial cordialidade e amizade pessoal que se estabeleceu desde o primeiro momento entre o Papa Francisco e o Patriarca Bartolomeu.

(from Vatican Radio)