Francisco diz que o trabalho é uma vocação

2016-01-16 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa recebeu em audiência, no final da manhã deste sábado (16/01), cerca de 7 mil participantes do Movimento de Trabalhadores Cristãos da Itália.

Antes da chegada de Francisco, os numerosos presentes se preparam com cantos e reflexões, com testemunhos pessoais, entre os quais também o do Cardeal Crescenzio Sepe, arcebispo de Nápoles, e de Dom Fouad Twal, Patriarca de Jerusalém.

Ao chegar à Sala Paulo VI, vivamente aplaudido, Francisco pronunciou seu discurso, agradecendo pelos testemunhos e pela presença de muitos que vieram de longe.

Tomando como ponto de partida o aspecto da “vocação ao trabalho”, expresso nos vários testemunhos, o Papa disse:

“È verdade, o trabalho é uma vocação porque nasce de um chamado que Deus dirigiu ao homem, desde o início, para que cultivasse e cuidasse da casa comum.”

E o Santo Padre perguntou: “Como podemos responder a esta vocação, que nos convida a imitar ativamente a incansável obra do Pai e de Jesus que, segundo o Evangelho, agem sempre?  E respondeu:

“Queria sugerir-lhes três palavras, que poderiam ajudá-los: a primeira, é educação; a segunda é partilha; e a terceira e última, que lhes queria sugerir é testemunho”.

Passando a explicar cada uma das suas sugestões, o Papa disse que “educar é a capacidade de extrair o melhor que temos em nosso coração”. Não é apenas ensinar uma técnica ou transmitir uma noção... isto vale, de modo particular, para o mundo do trabalho, formar para um novo humanismo do trabalho, onde o centro de tudo deve ser o homem e não o lucro, onde a economia deve “servir ao homem” e não “se servir do homem”.

Vivemos em um tempo de exploração dos trabalhadores - acrescentou o Papa -; um tempo onde o trabalho não está a serviço da dignidade do homem, mas é um trabalho escravo. Eis porque é preciso, hoje, educar a um "novo humanismo" do trabalho.

Hoje, acrescentou o Papa, no mundo do trabalho, como em todos os ambientes, é preciso educar o homem a percorrer o caminho luminoso e comprometedor da “honestidade”, sem ceder aos favoritismos e indicações privilegiadas. Isto é corrupção.

Assista em VaticanBR

A respeito do segundo aspecto sugerido por Francisco, ou seja a “partilha”, o Papa explicou:

“O trabalho não é somente uma vocação de cada pessoa, mas a oportunidade de entrar em relação com o outro. O trabalho deveria unir as pessoas, não distanciá-las, tornando-as fechadas e isoladas; ele nos oferece a oportunidade de partilhar o nosso dia com o irmão e se preocupar com ele”.

Por fim, o Papa explicou a terceira sugestão de educação ao trabalho, o “testemunho”:

“O Apóstolo Paulo encorajava a dar testemunho da fé também mediante as diversas atividades, vencendo a preguiça e a negligência: ‘Quem não quer trabalhar - disse - também não coma’. Hoje, há tantas pessoas que gostariam de trabalhar, mas não conseguem e até ficam sem comer”.

Aqui, Francisco recordou: “Tantos jovens não trabalham... eles são os “excluídos do nosso tempo” e privados da sua dignidade. Na Europa tanto culta, por exemplo, 40% dos jovens está desempregado e uma porcentagem maior ainda em outros países. Assim sendo, onde eles vão parar? Ficam dependentes das drogas, de doenças psicológicas e se suicidam. Eis o drama destes “novos excluídos” do nosso tempo.

A justiça humana pede trabalho para todos. Mas, a misericórdia divina também nos interpela: diante das pessoas em dificuldade e de situações difíceis, não devemos fazer pregação, mas transmitir esperança, confortar com a presença, apoiar com a ajuda concreta.

O Papa concluiu seu discurso aos participantes do Movimento de Trabalhadores Cristãos da Itália “encorajando-os a dar testemunho” - segundo o estilo de vida de cada um - de gratuidade, solidariedade e espírito de serviço”.

MTC no Brasil

De acordo com o site oficial do “Movimento de Trabalhadores Cristãos” no Brasil, a organização se apresenta como um movimento evangelizador, educador, organizado, autônomo e democrático.

“É um movimento dinâmico, que se renova e se define à medida que seus militantes vivem o compromisso de fidelidade à Classe Trabalhadora e a Jesus Cristo, segundo cada momento histórico do movimento trabalhadores; é um Movimento de Trabalhadores, organizado e dirigido pelos próprios trabalhadores”.

Missão do MTC

A missão do MTC nasce da própria missão de Jesus Cristo e da missão que a Igreja recebe de Jesus Cristo de ser “fermento no mundo para tudo transformar e iluminar”, refere ainda o site.

Por esta razão o MTC esta em comunhão com a igreja em nível universal, nacional e local. Na medida em que a Igreja avança nas interpretações das exigências evangélicas, o movimento avança com ela. Algumas vezes,  ele antecipa este avanço, caracterizando-se como movimento de igreja. (MT/MTC)

(from Vatican Radio)