Cardeal Sandri sobre viagem do Papa ao Líbano: uma visita profética para a Igreja e o Oriente Médio

2012-09-11 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) - A minha viagem apostólica ao Líbano "se coloca no signo da paz": foi o que afirmou Bento XVI no Angelus dominical. O Papa ressaltou que, no Oriente Médio, "não se pode resignar-se à violência e à exasperação das tensões".

O Santo Padre iniciará na próxima sexta-feira a 24ª viagem apostólica internacional de seu Pontificado, a quarta visita ao Oriente Médio após as viagens à Turquia em 2006, à Terra Santa em 2009, e a Chipre em 2010.

De fato, o Pontífice chegará a Beirute na próxima sexta-feira e, no mesmo dia assinará a Exortação apostólica pós-sinodal "Ecclesia in Medio Oriente". Sobre as expectativas dessa viagem a Rádio Vaticano entrevistou o Prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, Cardeal Leonardo Sandri, um dos purpurados que fará parte da comitiva papal na visita ao País dos Cedros:

Cardeal Leonardo Sandri:- "Faço votos de que esta viagem represente uma verdadeira onda de amor e de paz mediante a presença do Papa, a presença de Jesus na pessoa do Papa. O Santo Padre sempre falou de paz, de colaboração, sobre a comunhão da Igreja nessa área do Oriente Médio, no Líbano em particular, onde se encontra o maior número de fiéis católicos, os maronitas, a fim de que se possa realmente viver a comunhão, a fraternidade e o testemunho do amor de Deus. Além disso, meus auspícios são de que essa viagem possa ser uma conseqüência de amor, de paz para os nossos irmãos cristãos, das outras Igrejas, para todos os patriarcas e os fiéis ortodoxos, os bispos e também para todo o mundo muçulmano, que representa a grande maioria dos habitantes dessa região. Que se mantenha a esperança de um Líbano e de um Oriente Médio respeitoso dos direitos de todos, sobretudo da liberdade religiosa e respeitoso daquela história que marcou uma colaboração, uma amizade entre todos, sem diferenças de religião, respeitando e ouvindo o outro, e sabendo que somente no respeito e na fraternidade poderá haver um futuro para esses países."

RV: A seu ver, quanto a visita do Papa ao Líbano poderá ajudar o diálogo ecumênico e o diálogo inter-religioso no Oriente Médio:

Cardeal Leonardo Sandri:- "Penso que dará um impulso muito grande a esse diálogo, porque todos poderão ver e constatar que a presença do Papa não é uma presença de poder, de força, mas é uma presença de amor, de diálogo, de saber ouvir e saber estar junto, e que jamais a presença do Evangelho e do cristianismo será motivo para usar a violência, o ódio ou a separação. O Papa dará testemunho dessa paz, desse amor do Evangelho. Por isso eu creio que essa visita é realmente uma visita profética para a Igreja e para o Oriente Médio."

RV: A viagem do Papa poderá também exortar a comunidade internacional a não ficar surda às instâncias, às necessidades dos cristãos do Oriente Médio?

Cardeal Leonardo Sandri-: "Certamente servirá também para isso. Sobretudo para evidenciar que as minorias têm direito ao respeito também nos países onde são uma pequena parte num mundo que vive outra religião. Nesse sentido, a evocação à liberdade religiosa para todos, ao dever de serem cidadãos exemplares de seu país – sejam eles muçulmanos ou cristãos – é chamado que os nossos fiéis católicos viverão com todo seu entusiasmo, e toda observância porque são filhos da Igreja, filhos do país e estão a serviço de sua nação. Amam a sua pátria justamente porque são católicos e porque são cristãos." (RL)