​À Penitenciaria apostólica o Papa recorda a importância da oração e do discernimento - O bom confessor

2017-03-17 L’Osservatore Romano

O confessionário deve representar uma prioridade pastoral, a mais importante no ministério sacerdotal, a ponto que deveriam ser eliminados os cartazes com o horário. Recomendou o Papa Francisco, ao delinear o retrato ideal do bom confessor, durante a audiência aos participantes num curso promovido pela Penitenciaria apostólica, recebidos na manhã de 17 de março.

Um retrato centrado em três elementos: estar «imersos na relação com Cristo, capazes de discernimento no Espírito e prontos para evangelizar». Antes de aprofundar cada um destes elementos o Pontífice confidenciou que «a Penitenciaria é o tipo de Tribunal que agrada» deveras. Porque, explicou, a ele «nos dirigimos para obter aquele remédio indispensável para a nossa alma que é a Misericórdia. Mesmo se, admoestou, «não somos bons confessores» só «graças a um curso»; aliás, «a do confessor é uma “longa escola”, que dura a vida toda».

Eis então os três aspetos analisados pelo Papa Francisco: antes de tudo o confessor está chamado a ser «um verdadeiro amigo de Jesus». E isto «significa cultivar a oração». Por conseguinte, é exigido «um ministério da Reconciliação “imbuído de oração”» como «reflexo credível da misericórdia de Deus». Com mais uma admoestação: «um confessor que reza sabe bem que ele mesmo é o primeiro pecador e o primeiro perdoado. Não se pode perdoar no Sacramento sem a consciência de ter sido perdoado primeiro».

Em segundo lugar o bom confessor deve ser «um homem do Espírito, do discernimento». E a propósito o Pontífice mencionou também o ministério dos exorcistas, que contudo, recomendou, «devem ser escolhidos com muito cuidado e prudência». Por fim o Papa frisou que não há «evangelização mais autêntica do que o encontro com o Deus da misericórdia». Eis por que «o confessionário é lugar de evangelização e por conseguinte de formação». E a propósito recomendou aos confessores que vão diariamente às «periferias do mal e do pecado».

O Papa concluiu com uma improvisação, encorajando a confiar em Maria, que segundo o ensinamento de Santo Afonso entra na vida das pessoas e resolve as situações. E mencionou também uma tradição do Sul da Itália, relativa a «Nossa Senhoras das tangerinas», venerada pelos ladrões porque segundo a devoção popular os ajudaria a entrar sem serem vistos no paraíso fazendo-os passar pela janela.

Discurso do Papa