À Cúria romana o Papa recordou a necessidade de conjugar fidelidade e misericórdia e pediu que ninguém se sinta desamparado nem maltratado - Comunidade de serviço

2016-02-22 L’Osservatore Romano

No meio dos fiéis, como um simples peregrino, em procissão rumo à porta santa. Assim o Papa Francisco participou na celebração do jubileu da Cúria romana, na segunda-feira 22 de fevereiro, festa litúrgica da Cátedra de São Pedro.

Os funcionários do Vaticano chegaram às 8h30 à sala Paulo VI onde, na presença do Pontífice, se reuniram para a oração da Hora terceira e para ouvir a meditação sobre o tema «A misericórdia na vida diária», pronunciada pelo jesuíta Marko Ivan Rupnik.

No final da meditação, os fiéis deixaram a sala e, seguindo a cruz, dirigiram-se para a basílica, onde o Pontífice celebrou a missa. A Cúria romana, o Governatorato e as instituições ligadas à Santa Sé, disse o Papa Francisco na homilia, constituem uma «comunidade de serviço» na qual devem ser conjugadas «fidelidade e misericórdia» e na qual ninguém deveria sentir-se «desamparado nem maltratado».